O desperdício alimentar apresenta um conjunto de consequências que afectam as nossas vidas. Temos de o reduzir. O desperdício alimentar tem impacto ao nível ético, económico, social, sanitário e ambiental. Devemos estar conscientes a sua redução constitui, também, um passo preliminar importante para combater a subnutrição a nível global.

Um terço de toda a alimentação humana é desperdício. Assim, o controlo do que desperdiçamos é uma preocupação da Comissão Europeia, que propôs o ano de 2014 como "Ano Contra o Desperdício Alimentar". Foi definida como meta, a redução de 50% do desperdício alimentar em 2020. Neste sentido é-nos proposto, em todas as fases da cadeia alimentar, aplicar o princípio dos "3 Rs": Reduzir; Reutilizar; Reciclar.

 

O que pretendemos com este desafio?

  • Contribuir para a redução do desperdício alimentar em Portugal.
  • Sensibilizar a população para uma consciência e atitude alimentar responsável e sustentável.
  • Promover um consumo alimentar energético e nutricionalmente adequado.
  • Promover o consumo de alimentos e produtos alimentares de produção local.
  • Mobilizar os profissionais de saúde, as instituições públicas e privadas, o setor da restauração e a indústria para a redução do desperdício alimentar em Portugal.

 

Como vamos alcançar?

Cidadão

  • Planeie as refeições e as compras de alimentos/produtos alimentares, de acordo com o consumo do agregado familiar e de acordo com o stock existente.
  • Verifique os prazos de validade dos produtos alimentares no ato da compra.
  • Opte por alimentos congelados, quando previr que as versões frescas não venham a ser consumidas em tempo útil.
  • Reutilize as sobras das refeições na elaboração de outros pratos ou sopas.
  • Escolha os alimentos respeitando a sazonalidade e a produção local, sempre que possível.
  • Nas promoções que ofereçam grandes quantidades de alimentos, preveja se serão consumidos antes do término do prazo de validade.
  • Prepare e confecione os alimentos/refeições de acordo com as necessidades, evitando preparação/confeções em quantidades excessivas.
  • Conserve os alimentos da forma adequada, consultando a informação das embalagens.

Profissionais de Saúde

  • Contribuir para uma gestão consciente dos recursos alimentares e ambientais, preservando o equilíbrio nutricional.
  • Educar para o consumo de fontes alimentares menos consumidoras de recursos ambientais.
  • Educar para o consumo alimentar variado, entre e dentro dos vários grupos da Pirâmide/Roda dos Alimentos.
  • Promover o consumo de alimentos frescos ou minimamente processados.

Instituições Públicas e Privadas

  • Promover programas escolares que visem a literacia alimentar, nutricional e ambiental.
  • Promover a criação de "hortas urbanas".
  • Promover o acesso à aquisição e ao consumo de produtos locais.
  • Estabelecer ligações entre produtores e instituições de apoio social locais.

Indústria e Retalho

  • Desenvolver produtos alimentares nutricionalmente equilibrados e seguros.
  • Promover a aquisição económica, minimizando os custos associados ao embalamento.
  • Respeitar a biodiversidade e a segurança alimentar.
  • Respeitar a utilização sustentada dos recursos ambientais (solos, água, ar, energia).

secretario estado adjunto ministro saude

estesl

cnj

onmi

refood

adsfan

 barrigas amor

 travel flavours

apc

apnep

fadu

 cm vilapoucadeaguiar

cm alter do chao ipb caldasdarainha camaramunicipal logo changeit
fundacao portuguesa cardiologia empresas mais saudaveis    

gertal

nutricia

itau

iglo

palmeiro foods

inspira santa marta

 nestle health science  iogurte dia

jumbo

medtronic    

o peixe e fixe

eat like you mean it

portugal em forma

 nutrition hidration week