A dieta mediterrânica tem de ser uma presença assídua nas refeições quotidianas dos portugueses. É atualmente classificada como património cultural e imaterial da Humanidade, pela Unesco, e traduz um estilo de vida. Não é apenas um padrão alimentar, que combina ingredientes da agricultura local, receitas e formas de cozinhar próprias de cada lugar, mas incorpora uma noção de refeição partilhada, de celebração e de tradições que completam um estilo de vida vida saudável, quando acompanhado pelo exercício físico moderado diariamente num clima ameno.

A Dieta Mediterrânea é caracterizada pela abundância de alimentos de origem vegetal, como o pão, massas, arroz, hortaliças, legumes, fruta fresca e frutos oleaginosos; pela utilização do azeite como principal fonte de gordura; pelo consumo moderado de pescado, aves, lacticínios e ovos; pelo consumo de pequenas quantidades de carnes vermelhas e ingestão moderada de vinho, geralmente durante as refeições. A sua importância na nossa saúde não se limita ao facto de se tratar de uma dieta equilibrada, variada e com nutrientes adequados. Aos benefícios de seu baixo teor de ácidos gordos saturados e alto teor de monoinsaturados, junta-se a riqueza em antioxidantes que são determinantes para o bem-estar. A prevenção das doenças crónicas não transmissíveis (diabetes, doença cardiovascular, entre outras), a manutenção de um adequado estado cognitivo e a longevidade estão positivamente associadas a este estilo de vida.

 

O que pretendemos com este desafio?

  • Aumentar o consumo de produtos nacionais.
  • Estimular a agricultura doméstica/ agricultura urbana.
  • Promover o consumo de alimentos da época.
  • Promover as atividades culinárias na população e a sua transmissão inter geracional.
  • Aumentar o consumo de frutas, hortícolas e leguminosas.
  • Aumentar o consumo de peixe.
  • Diminuir o consumo de carne.
  • Promover o azeite como principal gordura de confeção.
  • Aumentar o consumo de cereais integrais.
  • Devolver o prazer da mesa, estimulando a sociabilidade, vivialidade e convívio à mesa e as refeições em família.
  • Aumentar os níveis de atividade física diária.
  • Privilegiar a água, como principal fonte de hidratação.
  • Promover o vinho tinto como uma bebida tradicional, com efeitos benéficos para a saúde, quando consumido com moderação e no contexto de uma alimentação equilibrada.
  • Incluir o consumo de doces na alimentação, no máximo 2 vezes por semana.

 

Como vamos alcançar?

Cidadão

  • Conheça a pirâmide da Dieta Mediterrânica e as suas recomendações:

piramide alimentar

    • 1 a 2 porções de cereais integrais a cada refeição principal;
    • No mínimo, 2 porções de hortícolas a cada refeição principal;
    • 1 ou 2 porções de fruta fresca a cada refeição principal;
    • 1 a 2 porções diárias de frutos oleaginosos, sementes ou azeitonas;
    • 2 porções diárias de lacticínios, preferindo iogurtes e queijos;
    • No mínimo, 2 porções de pescado por semana;
    • No mínimo, 2 porções de leguminosas por semana;
    • No mínimo, 2 porções de carnes magras por semana;
    • No máximo, 2 porções de carnes vermelhas e uma porção de carnes processadas por semana;
    • Vinho tinto, no máximo 1 copo por dia para mulheres e 2 para homens;
    • No máximo, duas porções de doces por semana;
    • Azeite como principal fonte de gordura;
    • Ervas aromáticas e especiarias para redução da adição de sal;
    • Ingestão hídrica de 1,5L a 2L, preferencialmente sob a forma de água;
    • Atividade física regular, pelo menos 30 minutos de atividade diária de grau moderado a intenso;
    • Moderação nas doses de consumo;
    • Descanso adequado, convivência e biodiversidade;
  • Prefira alimentos de origem nacional, procurando o selo na embalagem e/ou denominação de origem.
  • Experimente cultivar alguns alimentos como ervas aromáticas, legumes e leguminosas, de acordo com as suas possibilidades, com recurso a pequenos canteiros, hortas verticais na varanda, entre outros.
  • Envolva a família nas atividades de aquisição e preparação dos alimentos, transmitindo-lhes boas práticas de alimentação saudável e sensibilizando-os para a importância do consumo dos produtos locais, sazonais, redução do desperdício alimentar.

Profissionais de Saúde

  • Validar as recomendações e representação gráfica da Pirâmide Alimentar da Dieta Mediterrânica para a população portuguesas.
  • Aumentar a capacitação do utente ou grupos para reconhecerem os benefícios e importância do padrão alimentar da dieta mediterrânica ao longo da vida e saber inseri-las na vida quotidiana de forma atrativa e económica.

Instituições Públicas e Privadas

  • Promover a dieta mediterrânica nos estabelecimentos de ensino, de saúde, de apoio social e local de trabalho.
  • Disponibilizar informação sobre os benefícios da dieta mediterrânica.
  • Desenvolver campanhas massificadas junto da comunicação social de promoção à dieta mediterrânica.

Restauração

  • Disponibilização de menus mediterrânicos saudáveis e equilibrados e que promovam a gastronomia portuguesa.

Indústria e Retalho

  • Desenvolver opções de bebidas sem adição de açúcares e edulcorantes.
  • Maximizar a oferta de bebidas com reduzido teor de açúcares e edulcorantes.
  • Desenvolver opções de vegetais e frutas nacionais de 4ª gama (prontos a consumir) a preços competitivos.
  • Maximizar a oferta de produtos à base de vegetais e frutas com reduzido teor de gordura, açúcar e sal adicionado.
  • Aumentar e promover as variedades de leguminosas em conserva com baixo teor de sódio.
  • Contribuir para o aumento da produção de leguminosas nacionais (80 a 90% das leguminosas consumidas em Portugal são importadas).
  • Aumentar e promover as variedades de pescado em conserva nacional em água.
  • Reduzir os teores de sal, gorduras e açúcares dos processados de pescado.
  • Maximizar a utilização de cereais integrais na produção de massas alimentícias, de forma a massificar o seu consumo a preços competitivos.
  • Promover o desenvolvimento de novos produtos com base em alimentos de origem nacional.
  • Potenciar as estratégias de marketing e publicidade aos produtos alimentares que incluam ingredientes nacionais/locais.
  • Potenciar as estratégias de marketing e publicidade aos produtos isentos ou com menor teor de açúcares, sal e gorduras.
  • Aumentar a oferta de produtos alimentares isentos ou com teor reduzido teor de açúcares ou com adição de adoçantes em doses moderadas.
  • Aumentar a oferta de produtos alimentares isentos ou com teor reduzido de sal.
  • Aumentar a oferta de produtos alimentares isentos ou com redução de quantidade e melhor qualidade de gorduras.
  • Desenvolver produtos alimentares nutricionalmente equilibrados e seguros.
  • Promover a aquisição de alimentos económica, minimizando os custos associados ao embalamento.
  • Respeitar a biodiversidade e a segurança alimentar.
  • Respeitar a utilização sustentada dos recursos ambientais (solos, água, ar, energia).

secretario estado adjunto ministro saude

estesl

cnj

onmi

refood

adsfan

 barrigas amor

 travel flavours

apc

apnep

fadu

 cm vilapoucadeaguiar

cm alter do chao ipb caldasdarainha camaramunicipal logo changeit
fundacao portuguesa cardiologia empresas mais saudaveis    

gertal

nutricia

itau

iglo

palmeiro foods

inspira santa marta

 nestle health science  iogurte dia

jumbo

medtronic    

o peixe e fixe

eat like you mean it

portugal em forma

 nutrition hidration week