11Temos de contrariar a tendência de excesso de peso nas crianças registada aos 36 meses de idade. O Estudo do Padrão e de Crescimento na Infância indica que 31,4% das crianças portuguesas apresenta excesso de peso aos 36 meses e 6,5% obesidade. Estes dados são alarmantes e indicam que temos intervir nos hábitos alimentares familiares.

Um dos fatores que está associado à prevenção da obesidade infantil é o aleitamento materno. A Organização Mundial de Saúde recomenda o aleitamento materno exclusivo até aos 6 meses, sendo que em Portugal a duração média do aleitamento exclusivo é de 4 meses. O período de diversificação alimentar também é crucial até ao 1º ano, com a introdução dos primeiros alimentos sólidos. O leite de vaca tem sido introduzido cada vez mais cedo, em detrimento dos leites de transição, a sua introdução é recomendada a partir do 1º ano. É após o 1º ano de vida que se apresenta o período mais crítico da alimentação infantil, onde são introduzidos os alimentos com perfil desadequado ricos em açúcares e gorduras.

 

O que pretendemos com este desafio?

  • Contribuir para a redução do excesso de peso aos 36 meses.
  • Aumentar a literacia alimentar de pais, futuros pais e famílias para a promoção da saúde alimentar das crianças.
  • Promover aleitamento materno e o aumento da sua duração média até aos 6 meses.
  • Promover uma diversificação alimentar adequada e assegurar a monitorização da saúde alimentar das crianças após 1 ano de idade.
  • Envolver o cidadão na definição de estratégias para redução do excesso de peso aos 36 meses.
  • Mobilizar os profissionais de saúde, as instituições públicas e privadas, o setor da restauração e a indústria para a redução do excesso de peso aos 36 meses.

 

Como vamos alcançar?

Famílias

  • Controle e monitorize a evolução do percentil de peso e estatura da criança.
  • Implemente o aleitamento materno sempre que possível em exclusividade até aos 6 meses.
  • Garanta as horas de sono adequadas para a idade do bebé/criança.
  • Não introduza o sal e o açúcar de adição na alimentação da criança antes dos 2 anos de idade.

Profissionais de Saúde

  • Desenvolver estratégias práticas para a diversificação alimentar adaptadas às necessidades nutricionais e ao contexto socioeconómico das famílias.
  • Desenvolver referencial para a alimentação da criança no 2º e no 3º ano de vida.

Instituições Públicas e Privadas

  • Promover a oferta de alimentos saudáveis e adequados nas instituições escolares, de saúde e apoio social da primeira infância.
  • Criar condições laborais para a promoção do aleitamento materno.
  • Desenvolver campanhas massificadas junto da comunicação social para promover a diminuição do excesso de peso aos 36 meses.

Restauração

  • Promover a oferta de alimentos saudáveis e adequados nas instituições escolares, de saúde e apoio social da primeira infância.
  • Restringir a adição de sal e açúcar na oferta alimentar para crianças com idade inferior a 2 anos.

Indústria e Retalho

  • Potenciar as estratégias de marketing e publicidade aos produtos alimentares adequados a crianças, nomeadamente os isentos de sal, açucares e gorduras trans.

secretario estado adjunto ministro saude

estesl

cnj

onmi

refood

adsfan

 barrigas amor

 travel flavours

apc

apnep

fadu

 cm vilapoucadeaguiar

cm alter do chao ipb caldasdarainha camaramunicipal logo changeit
fundacao portuguesa cardiologia empresas mais saudaveis    

gertal

nutricia

itau

iglo

palmeiro foods

inspira santa marta

 nestle health science  iogurte dia

jumbo

medtronic    

o peixe e fixe

eat like you mean it

portugal em forma

 nutrition hidration week